Alimentação Parenteral – O Que É?


Como É Feito O Processo De Alimentação Parenteral?


Alimentação Parenteral
Alimentação Parenteral

Você já deve ter visto em hospitais, pessoas com um pequeno tubo inserido no nariz, na barriga, ou no braço com um líquido esbranquiçado, essa técnica é chamada de alimentação parenteral.

Nada mais é que o conjunto de procedimentos que são usados para a manutenção ou para a recuperação do estado nutricional do paciente, mesmo sendo um estado grave ou não.

Também chamada como Terapia Parenteral, é considerada fundamental para nutrir uma pessoa que precisa de cuidados especiais para os órgãos, tecidos e sistemas. Existem duas formas de fazer a nutrição, a parenteral e a enteral. Veja o que difere as duas!

Alimentação Enteral!

A alimentação enteral é feita no paciente que não pode ou não consegue se alimentar totalmente pela boca, devido à alguma integridade do aparelho digestivo.

A via alternativa para alimentação é com a ajuda de um tubo ou sonda flexível, introduzido no nariz.

Outra alternativa é acoplar direto na barriga com uma pequena punção ou corte, onde é direcionado ao estômago ou intestino. Os alimentos são fornecidos em forma líquida para garantir todos os nutrientes de modo que substitua uma refeição.

Alimentação Parenteral!

Diferente da Enteral, a alimentação parenteral é feita de forma endovenosa da forma de solução ou emulsão. A sua composição conta com a ajuda de carboidratos, lipídios, aminoácidos, vitaminas e minerais que ajuda o estado nutricional do paciente.

Em Quais Casos é Feito a Alimentação Parenteral?

Alimentação Parenteral

É indicada para pacientes com caso de trato gastrointestinal não disponível (parcial ou total). Os casos mais recorrentes, são:

  • Íleo Adinâmico;
  • Obstruções Intestinais;
  • Diarreia Grave;
  • Repouso Intestinal Necessário;
  • Desnutrição Severa.

Esses sãos os casos que necessitam do auxílio da alimentação parenteral endovenosa para a recuperação dos pacientes impossibilitados de fazer uma refeição por via oral.

Alimentação Parenteral Industrializada e Manipulada!

Alimentação Parenteral

A alimentação parenteral pode ser feita com a solução industrializada ou manipulada.

A manipulada é feita de acordo com a necessidade de cada paciente. É realizada uma avaliação médica para determinar qual é o grau de nutrição que o paciente precisa, e a terapia é feita de acordo com a particularidade da pessoa.

Já a industrializada conta com vários padrões que pode ser usado para todos os pacientes. O médico faz uma avaliação e decide qual vai ser mais eficiente para resolver o estado nutricional do indivíduo.

Características Estéril e Apirogênica!

Existem duas características fundamentais da alimentação parenteral que permite que ela seja utilizada da forma endovenosa, a Estéril e a Apirogênica.

Isso é o que determina a terapia parenteral ser um procedimento totalmente segura para o paciente internado. Não vamos esquecer que ela são devidamente armazenadas em recipientes de plástico ou vidro.

Estéril

A característica Estéril, significa que a alimentação parenteral é livre de todos os organismos viáveis que podem causa alguma patogenicidade para o paciente no leito. Ou seja, ele não vai ter nenhuma complicação ou contaminação pela terapia.

Apirogênica

A alimentação parenteral Apirogênica é livre de qualquer produto ou vestígios de micro-organismos, os pirogênios. Os pirogênios podem originar-se de bactérias gram-negativas, gram-positivas, de fungos e de vírus.

Alimentação Parenteral (Vídeo)

Gostou do Artigo? Leia Também:

Alimentação Parenteral – O Que É?
4.8 (96.04%) 91 votes




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *