Alimentos poderosos

Aqui você acompanha o que a natureza tem a oferecer para sua saúde

Sálvia – Para que serve?

Nome científico: Salvia officinalis L.
Nomes populares: sálvia, salva,
salva-das-boticas.
Parte utilizada: folhas.
Componentes principais: taninos tipo catequina
(condensados), ácidos fenólicos, flavonoides, óleos essenciais (tujona, cânfora, cineol,
humuleno, alfa-pineno), diterpenóides amargos, triterpenoides, mucilagem e resina.
Indicações
Uso interno: Antisséptica, infecções das vias respiratórias, tosse, rouquidão e
estomatite, faringite e aftas. Dispepsias, anti-inflamatória, antioxidante e estrogênica,
indicada na síndrome do climatério, irregularidades menstruais e supressão da
lactação. Estimula o apetite e estudos comprovam melhorar a memória em idosos.
Uso externo: Antisséptica, infecções das vias respiratórias, tosse, rouquidão e
estomatite, faringite e aftas. Cicatrizante, anti-inflamatória e diminui a transpiração
(indicada em sudorese de extremidades e enfermidades que causam sudorese) e
salivação excessiva.
Posologia e forma de preparo
Uso interno: Infusão -1 colher de sopa (3 g) de folhas para 1 xícara de chá (150 mL)
de água. Acima de 12 anos: tomar 2 a 3 vezes ao dia, após as refeições.
Uso externo: Infusão – 1 colher de sopa (3 g) de folhas para 1 xícara de chá (150 mL)
de água, após higienização aplicar a compressa no local afetado ou realizar bochecho,
3 vezes ao dia.
Cuidados: Segura em doses terapêuticas. Em doses acima da recomendada pode causar
convulsões pela presença de tujona e cânfora, pode potencializar efeitos sedativos
(barbitúricos e benzodiazepínicos) e interferir na atividade se associada a hipoglicemiantes e
anticonvulsivantes. Evitar o uso na gravidez, lactação, insuficiência renal, epilepsia e
tumores estrógeno–dependentes. Pode causar irritação tópica em pacientes sensíveis.